Rota do Glaciar, Manteigas

| Portugal |

Unsplashed background img 1

Portugal 

by Nós por aí | 2022-01-22

O vale glaciário do Zêzere , na Serra da Estrela, é único e a sua grandiosidade e beleza merecem ser contemplados com todo tempo e calma ao longo de uma caminhada. Fazer a Rota do Glaciar é a melhor maneira de desfrutar a paisagem de um dos maiores vales glaciários em forma de “U” da Europa.

O trilho começa na vila de Manteigas, percorre o vale do Zêzere e termina no Covão d’Ametade (tem continuidade para a Nave de Santo António). Tem cerca de 10,5 Kms mas para quem não quer fazer toda a distância pode ser feito em trechos mais pequenos, começando-o em um dos dois locais: ponte das Caldas (ponto 1 no mapa – perto das Termas de Manteigas ou INATEL) ou a meio do percurso em pleno vale do Zêzere (ponto 2 no mapa – na corte da ASE, sensívelmente a meio do vale).

Começando na vila irá percorrer a área urbana de Manteigas, passando pela Senhora dos Verdes (aqui poderá também visitar umas das fábricas de burel) e pelas termas do INATEL até chegar à ponte das Caldas. Daqui (ou começando daqui) faz-se uma subida íngreme seguida de curva e uma ponte. Logo a seguir passamos pelas Lameiras, uma antiga comunidade pastoril e agrícola onde, até há poucos anos atrás, viviam alguns pastores e, em suas casas, as esposas faziam o genuíno Queijo da Serra artesanal.

Um pouco mais acima passa-se pelo Poio da Oliveira, um aprazível local de piqueniques e onde pode aproveitar para dar um mergulho no rio.

Vale do Zêzere

Vale do Zêzere

Chegando à “corte da ASE”, onde existe uma pequena ponte de cimento, pode usufruir de um dos melhores locais para se fotografar o vale em todo o seu esplendor, tanto para poente como para nascente.

A rota continua pelo caminho de terra batida que nos trouxe até aqui, mas do lado oposto do rio. Ao longo de todo o percurso vamos passando por casas de granito com telhados de zinco, antigas cortes de pastores. Mais adiante o trilho começa a ficar mais irregular e com pedras e, dependendo da época do ano, poderá ter de atravessar alguns pequenos riachos que se atravessam no caminho.

Trilho do Glaciar

Trilho do Glaciar

Já perto da estrada, que dará acesso ao Covão d’Ametade, vislumbram-se as grandes formações rochosas, que formam o planalto superior, a que se dá o nome de Cântaros.

Cântaro Magro

Cântaro Magro

Finalmente chegamos ao Covão d’Ametade, local onde se pensa ter existido uma lagoa glaciária, e onde nasce o rio Zêzere. É hoje um magnífico parque de merendas, talvez o local mais fotografado da Serra da Estrela, onde se pode usufruir da natureza e de onde partem vários trilhos.

Covão d'Ametade

Covão d’Ametade

Qualquer época do ano é boa para fazer este trilho, desde que não seja em época de neve ou com chuva, no entanto recomendamos faze-lo no verão.

 

  Trilho

Tipo: Linear
Extensão: 10,5 Km
Dificuldade: Média
Informações: Manteigas Trilhos Verdes

Normas de conduta

Este artigo foi atualizado no dia 2022-02-24.


 

Se encontrou alguma incorreção neste artigo, por favor, diga-nos.

Porque viajar seguro é importante
IATI Seguros de viagem


0 Comentários

Deixe o seu comentário! (tem de efectuar o login para deixar comentário)